Soja: preços caem cerca de R$ 5 por saca no Brasil, seguindo Chicago

Soybeans isolated on white background

Contratos futuros negociados na CBOT tiveram a quarta sessão seguida de perdas

Os preços da soja apresentaram forte queda nesta quinta-feira (23) nas principais praças do país. Com Chicago despencando, os negociadores se afastaram e praticamente não houve negócios.

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos baixou de R$ 193 para R$ 188. Na região gaúcha das Missões, a cotação recuou de R$ 191,50 para R$ 186,50. No Porto de Rio Grande, o preço caiu de R$ 196 para R$ 191

O preço da saca em Cascavel (PR) passou de R$ 191 para R$ 186. Já no Porto de Paranaguá (PR), o recuo foi de R$ 195,50 para R$ 190.

A saca de soja em Rondonópolis (MT) baixou de R$ 173,50 para R$ 173. Além disso, em Dourados (MS) a cotação caiu de R$ 180 para R$ 175, enquanto que, em Rio Verde (GO), passou de R$ 174,50 para R$ 169,50.

  • Novo ‘rei da soja’ é ex-citricultor e colhe 126,8 sacas por hectare

Soja em Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quinta-feira com preços em forte baixa, próximo das mínimas do dia e enfileirando a quarta sessão seguida de perdas. Dois fatores seguem pressionando o mercado: o clima favorável ao desenvolvimento das lavouras norte-americanas e os temores em torno do quadro recessivo na economia dos Estados Unidos.

Os boletins meteorológicos continuam apontando chuvas de bom volume e temperaturas adequadas para o desenvolvimento das lavouras americanas. Até o momento, não há ameaça ao potencial produtivo e a expectativa é de uma safra cheia.

O clima de aversão ao risco no mercado financeiro internacional voltou a ser ponto de preocupação. O dia foi de queda generalizada para as commodities, em meio ao quadro recessivo na economia americana e o temor de queda no consumo. A alta do dólar frente a outras moedas também tira competitividade dos produtos de exportação.

Para esta sexta-feira (24), parte das expectativas dos operadores deve se deslocar para o relatório de exportações semanais. O mercado aposta em um número entre 250 mil e 725 mil toneladas.

Os contratos da soja em grão com entrega em julho fecharam com baixa de 28,25 centavos de dólar por bushel ou 1,68% a US$ 16,52 3/4 por bushel. A posição novembro teve cotação de US$ 14,76 1/2 por bushel, com perda de 34 centavos ou 2,25%.

Nos subprodutos, a posição julho do farelo fechou com alta de US$ 1,10 ou 0,25% a US$ 415,30 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em julho fecharam a 70,66 centavos de dólar, com baixa de 2,71 centavos ou 3,69%.

Câmbio

dólar comercial encerrou a sessão em alta de 1,02%, sendo negociado a R$ 5,230 para venda e a R$ 5,228 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,167 e a máxima de R$ 5,236.

fonte: canal rural

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Condição da safra de milho nos EUA piora na semana, aponta USDA

O USDA disse que 58% da safra de milho dos EUA apresentava condição boa ou…

Preços da soja ficam em baixa no Brasil. Chicago sente queda do petróleo

Nos subprodutos, a posição setembro do farelo fechou em US$ 431,40 por tonelada e óleo…

Brasil exportou 9% a menos de soja no 1º semestre em comparação a 2021

Menor embarque para a China e quebra de safra justificam o recuo No primeiro semestre…