Boi gordo: preços voltam a cair trazendo reflexos negativos ao atacado

A herd of cows producing milk for Gruyere cheese in France in the spring

Boi gordo: preços voltam a cair trazendo reflexos negativos ao atacado.

O mercado físico do boi gordo registrou preços de estáveis a mais baixos nesta segunda-feira (23). Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, os frigoríficos ainda desfrutam
de uma posição confortável em suas escalas de abate, e conseguem assim pressionar por preços mais baixos junto aos criadores.

Além disso, persistem os ruídos causados por embargos provisórios impostos pela China, com a atual política de tolerância zero contra a Covid-19.

No início da semana, mais três unidades foram suspensas, duas em São Paulo, uma em Goiás. “Esse quadro tende a ampliar a pressão sobre os pecuaristas, ainda mais em uma semana pautada por menor potencial de consumo interno de carne bovina. Para o início da entressafra, é possível que haja maior potencial para reação dos preços no mercado doméstico, com um quadro mais enxuto de oferta. Nesse ambiente, os frigoríficos não possuem tanta facilidade na composição de suas escalas de abate”, assinalou Iglesias.

Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 311,00. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 281,00.

Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 282,00. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 285,00 por arroba. Em Goiânia, Goiás, a indicação foi de R$ 280,00 para a arroba do boi gordo.

Boi no atacadista

No mercado atacadista, os preços da carne bovina caíram. Segundo Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere pela continuidade deste movimento no curto prazo, em linha com a reposição mais lenta entre atacado e varejo durante a segunda quinzena do mês. O padrão de consumo ainda sinaliza para a
preferência por proteínas mais acessíveis, a exemplo do frango e dos ovos.

Foto: Governo do Tocantins

O quarto traseiro foi precificado a R$ 23,00 por quilo, queda de R$ 0,20. O quarto dianteiro foi cotado a R$ 16,00 por quilo, queda de R$ 0,20. A ponta de agulha foi precificada a R$ 15,70 por quilo, queda de R$ 0,60.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão em baixa de 1,31%, sendo negociado a R$ 4,8070 para venda e a R$ 4,8050 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 4,7850 e a máxima de R$ 4,8510.

FONTE: CANAL RURAL

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Soja: preços caem cerca de R$ 5 por saca no Brasil, seguindo Chicago

Contratos futuros negociados na CBOT tiveram a quarta sessão seguida de perdas Os preços da…

Boi gordo: preços seguem firmes com oferta restrita; arroba em SP vai a R$ 320

Animais padrão China permanecem muito demandados no mercado, carregando ágio de até R$ 30, de…

Plano Safra 2022/23 pode ser lançado na quarta-feira que vem (29)

Segundo presidente da FPA, deputado Sérgio Souza, volume de recursos e taxas de juros do…